Tom Zé – Todos os olhos (1973)

23/03/11

 

Costuma-se chamar de gênio um indivíduo que consegue enxergar o mundo à sua volta por um prisma diferente dos demais, alguém que é capaz de entender certos mistérios da vida antes do que a maioria dos homens de seu tempo. Diz-se também, que esta vivência separada dos paradigmas de seu meio atenua a linha que separa a genialidade da loucura, duas faces humanas incompreendidas por nossa cultura. Se existe um homem na música brasileira que ilustra as afirmações anteriores, este atende pelo nome de Tom Zé.

Música não, rebeldia, como ele próprio afirma em entrevista à Caros Amigos de fevereiro deste ano. “Eu acho que eu não faço música. Música é só o pretexto, eu faço rebeldia. Rebeldia. Aquela proteína que entre os 13 e os 50 anos se a geração não tiver rebeldia, ela entra em falência. Primeiro, ela tem que compreender seu tempo e depois negar o seu tempo e cometer a rebeldia mesmo, dela, que ninguém controla”.

Incompreendido por uma geração que ainda não estava pronta para o abandono dos moldes tradicionais, Tom Zé é um pilar esquecido do Tropicalismo. Sua evolução não foi acompanhada pelo público e, embora tenha participado dos grandes festivais no começo de sua carreira, o lançamento do disco “Todos os Olhos”, de 1973, marca a ruptura do mercado com o artista. Algo curioso para uma época cultural tida como questionadora e revolucionária. Ouso imaginar que mesmo dentro do alternativismo tropicalista, era preciso ser esteticamente rentável.

Após anos de ostracismo em sua carreira, esquecido por seus antigos companheiros Caetano e Gil, Tom Zé estava “enterrado vivo”, como ele mesmo diz. Foi durante uma visita de David Byrne, dos Talking Heads, ao Brasil dos anos oitenta, que Tom Zé seria resgatado. “Graças a um arrumador de loja desastrado que colocou meu disco, Estudando o Samba, junto com os outros pagodes”, afirma. Diante daquela obra tão rica e atual (mesmo sendo de 1976), Byrne se apressou em lançar Tom Zé na Europa e Estados Unidos, popularizando o artista brasileiro mundo afora.

Como bom povo provinciano, acostumado desde suas origens a macaquear o comportamento de seus colonizadores, foi necessária a aprovação de um estrangeiro para que se reconhecesse, após décadas, o valor do genial Tom Zé em sua própria terra. Ainda assim, em terra brasilis, o baiano de Irará tem entre o grande público nada mais do que o conhecimento de seu nome. Como tantos outros gênios da história, muito se fala a seu respeito, enquanto pouco se escuta da sua mensagem.

 

O disco

Embora existam diferentes versões para a história da capa de “Todos os olhos”, fazer uma alusão subliminar ao olho menos ortodoxo da anatomia humana, em uma capa de disco lançada nos anos de chumbo da ditadura, já é algo provocador o bastante para escandalizar até as gerações mais modernas. Musicalmente, Tom Zé funde neste disco todas as suas dissonâncias com o néctar do samba, com os refrões memorizáveis e sua poesia que dialoga com o íntimo do ouvinte, que chega a sentir proximidade do poeta.

Entretanto, antes que se corra o risco de pensar que sua obra pertence aos domínios da complexidade intelectualóide, Tom Zé avisa: “Todo compositor brasileiro é um complexado / Por que então essa mania danada / esta preocupação de falar tão sério, / de parecer tão sério, / de ser tão sério, / de sorrir tão sério, / de chorar tão sério, / de brincar tão sério, / de amar tão sério? / Ai, meu deus do céu vai ser sério assim no inferno”.

Uma vez que algo é simples, não significa que não seja sofisticado. Como bom antropófago, Tom Zé revive a melancolia da cantora Dolores Duran com “A noite do meu bem”, em uma versão onde os vazios entre as notas flertam com o vazio que existe dentro do próprio ouvinte. Na sequência, em uma parceria com um dos criadores da Poesia Concreta, Augusto de Campos, Tom Zé brinca com as palavras e os sentidos em “Cademar”.

Humano, demasiado humano, como a famosa obra de Nietzsche, é o pensamento que dá luz à quarta música do disco, a experimental “Todos os olhos”. É preciso acordar do impulso que nos transforma em deuses, que nos cria a necessidade de heroísmo, força absoluta e conhecimento sobre todas as coisas. Como Tom Zé, somos inocentes, somos até fracos e não sabemos de nada. Somos apenas humanos, demasiado humanos.

Assim como no disco anterior, “Se o caso é chorar” de 1972, Tom Zé é acompanhado no disco “Todos os Olhos” pela banda Capote, o psicodélico grupo do cantor Odair Cabeça de Poeta. Ao melhor estilo “Baiano e os Novos Caetanos”, trio humorístico formado nos anos 70 por Chico Anysio, Arnaud Rodrigues e Renato Piau, a canção “Dodó e Zezé” é uma conversa entre os matutos Tom Zé (Zezé) e Odair Cabeça de Poeta (Dodó).

Em “Quando eu era sem ninguém”, Tom Zé canta o clima de Irará, uma terra, segundo ele, pré-gutemberguiana, onde todas as tradições eram passadas oralmente. Embora a esta época já fosse um “velho baiano” no cenário musical brasileiro, a canção familiariza-se bastante com as canções de Pepeu, Moraes, Galvão, Baby e Paulinho, os Novos Baianos. Na sequência, em “Brigitte Bardot”, Tom Zé percebe que nem ícones como Brigitte Bardot, musa dos sonhos de toda uma geração, são poupados pelo tempo.

Embora a grande vencedora do Festival de Música Popular Brasileira de 1968, “São São Paulo, meu amor”, seja considerada o hino da cidade por compreendê-la com olhos paulistas (do baiano Tom Zé), nenhuma de suas canções soa mais paulistana do que o samba “Augusta, Angélica e Consolação”. “Augusta, graças a deus / entre você e a Angélica / eu encontrei a Consolação / que veio olhar por mim / e me deu a mão”, canta o poeta,  “adonirando” a cidade . “Quando eu vi, / que o Largo dos Aflitos / não era bastante largo / pra caber minha aflição, / eu fui morar na Estação da Luz / porque estava tudo escuro / dentro do meu coração”.

Considerada pelo próprio Tom Zé como a idéia mais fantástica que já teve, sua teoria sobre lixo lógico é o fio condutor de “Botaram tanta fumaça”. Em entrevista à Caros Amigos, ele explica: “A gente chegava na escola, o professor explicava aristotelicamente, a gente comparava com a educação da gente e quando chegava aqui dizia ‘É, dá certo, mas sobra aqui… Joga pra lá, porque a escola é que ta certa’. O ginásio joga uma porrada de coisa, o colégio joga uma porrada, a universidade joga tudo aqui. Aí um belo dia isso foi ficando tão pesado, feito um aleijado, que a pessoa tem mais coisa no hipotálamo que no córtex”.

Presente também no disco de 1970, “O Riso e a Faca” é coisa das mais bonitas, uma valsa intimista que escuta Tom Zé declamar sua poesia. E então, quando você pensa que está começando a entender, “Um Oh e um Ah” chega para lhe mostrar que o incompreensível é nada mais do que aquilo que não pode ser resumido, aprisionado e classificado. Logo após, há ainda uma segunda versão de “Complexo de Épico” fechando as cortinas e encerrando o disco.

Abaixo, como complemento essencial indico “Fabricando Tom Zé”, do diretor Decio Matos Junior, onde Tom Zé é acompanhado pela equipe do documentário em sua turnê do ano de 2005. Misturando causos do passado com o cotidiano do músico e poeta, o documentário acrescenta entrevistas com Gil e Caetano, entre outros, para situar o espectador.

Espero que gostem!

 

 

Download: Tom Zé – Todos os olhos (1973)

 

 


Caetano Veloso – Transa (1972)

02/03/11

 

No dia 27 de dezembro de 1968, os maiores expoentes da música brasileira, Caetano Veloso e Gilberto Gil, foram presos pelo regime militar sem qualquer alegação plausível. Obviamente suas participações em passeatas, movimentos estudantis e principalmente, suas condutas revolucionárias, não eram vistas com bons olhos pelo governo. Os dois passaram por celas de diversos quartéis no Rio de Janeiro, onde tiveram suas vidas marcadas para sempre pelo cárcere.

Durante este período, foram compostas em cela algumas canções que ficariam muito conhecidas, como “Irene”, onde Caetano canta a saudade da alegria e de sua irmã (Eu quero ir, minha gente / Eu não sou daqui / Eu não tenho nada / Quero ver Irene rir / Quero ver Irene dar sua risada), e Cérebro Eletrônico, uma das mais geniais canções de Gil.

Após dois meses de confinamento, numa quarta-feira de cinzas, os dois baianos foram conduzidos a Salvador, onde passariam outros quatro meses em regime de prisão domiciliar. Na metade do ano de 1969, o governo militar, com os poderes que o Ato Institucional número 5 lhe conferiam, decidiu expulsar Caetano e Gil do país. Fora permitido, embora, que realizassem um último show para arrecadar dinheiro para sua viagem forçada.

Nos dias 20 e 21 de julho, os dois principais tropicalistas faziam seu último show em terras brasileiras antes do exílio, em uma apresentação que virou disco, o sensacional Barra 69. Poucos dias depois, Gil e Caetano eram acompanhados por militares até um avião, onde embarcavam para Londres sob a seguinte advertência: “Só voltem se forem autorizados”.

O exílio foi para Caetano tão duro quanto deveria ser.  Desenraizado à força, o poeta mergulhou de cabeça em um estado tão depressivo como a própria aparência de Londres. Em um dos artigos que escrevia para o Pasquim, direto do exílio, Caetano afirmou sobre ele e Gil: “Estamos mortos”.  Afinal, que é o exílio senão a morte do homem como cidadão.

Apesar das tristezas, em uma das noites frias em Londres, Caetano receberia um visitante que trazia milhões de abraços em sua mala, todo o carinho do povo que aqui ficou, representado pela figura de seu rei, Roberto Carlos. Naquela noite, os últimos versos de “As Curvas da Estrada de Santos” seriam sucedidos pelo mais sincero pranto de Caetano. Segundo ele, foi este o momento que tocou o rei e o inspirou para a canção “Debaixo dos Caracóis dos seus Cabelos”.

Neste período, Caetano gravaria o melancólico disco de 1971, cuja capa trazia apenas seu rosto, fechado, e a profundidade de seu olhar, que traduzia fielmente seu estado de espírito. No mesmo ano, graças ao esforço de sua irmã Bethânia aqui no Brasil, Caetano conseguiria uma permissão especial do governo para retornar ao Brasil, apenas para assistir a missa em comemoração aos 40 anos de casamento de seus pais.

No dia da volta de Caetano, Bethânia, acompanhada do cineasta Gláuber Rocha e de Luiz Carlos Maciel, um dos fundadores do Pasquim, esperou por longas horas a chegada de seu irmão. Enquanto era aguardado em casa, Caetano

Caetano em programa de TV durante o breve regresso

passava por um interrogatório, após ser recebido no aeroporto pelos militares. Entre perguntas e mais perguntas, Caetano seria pressionado a escrever uma canção saudando a construção da Transamazônica.

De volta à Londres, Caetano convoca um time de peso para dar o passo que o consagraria como visionário cultural, revolucionário musical e semeador da libertação intelectual. Acompanhado dos amigos Jards Macalé, Tutti Moreno, Moacyr Albuquerque e Áureo de Souza, Caetano grava o disco Transa, sua obra de mergulhos mais profundos na alma do ouvinte e, principalmente, do compositor.


O disco

Doce como o ácido que fez Jards Macalé se apaixonar por uma Branca de Neve de cera, no museu Madame Tussaud’s, a canção “You Don’t Know Me” é um aviso verdadeiro para quem conhecia a obra de Caetano antes do disco Transa: você não me conhece. Misturando Edu Lobo e Luiz Gonzaga com desabafos em inglês e uma velha canção sua na voz de Gal Costa, o poeta faz o prefácio perfeito para o resto da obra.

Na sequência, “Nine out of ten” é anunciada por uma vinheta ao melhor estilo jamaicano. Caetano explica: “Eu e o Péricles Cavalcanti descobrimos o reggae em Portobelo Road e me encantou logo. Bob Marley e The Wailers foram a melhor coisa dos anos 70”. Foi a primeira vez em que o reggae aparecia na música brasileira. Em um samba de um pé na África e outro no sertão nordestino, “Nine out of ten” segue e faz o poeta dizer pra quem quiser ouvir: “I’m alive”.

Considerado o maior poeta barroco do Brasil, o baiano Gregório de Matos é dono dos primeiros versos de “Triste Bahia”, retirados de seu poema homônimo, do século XVII. A crescente evolução dos instrumentos e os cantos entoados nos trazem a atmosfera de uma roda de capoeira, diretamente da Bahia ou do outro lado do oceano.

Em certa manhã, o poeta acordou cantando uma velha canção dos Beatles, nada mais natural para quem vivia em Londres nos anos 70. Em “It’s a Long Way”, “The Long and Winding Road” dos Beatles, “Sodade, meu bem, Sodade” de Zé do Norte, “A Lenda do Abaeté” de Dorival Caymmi e “Berimbau”, de Baden Powell e Vinícius de Moraes, tornam-se uma só canção, o canto mais sublime e transcedental do poeta Caetano Veloso.

A quinta música do disco é uma composição do sambista, cantor, ator e pintor carioca, Monsueto. Explorada em suas nuances mais profundas, “Mora na Filosofia” traz Caetano dando um passo à frente na melodia e estrutura musical do velho samba. “Se seu corpo ficasse marcado / Por lábios ou mãos carinhosas / Eu saberia, a quantos você pertencia / Não vou me preocupar em ver / seu caso não é de ver pra crer”.

A canção seguinte, “Neolithic Man” é tão existencial quanto experimental. Embora soe com extrema brasilidade, Caetano mistura diversos elementos musicais, ditando o clima de psicodelia. Encerrando o disco, “Nostalgia” é um blues com a participação de Angela Ro Ro, na gaita, e, como em diversas outras músicas do disco, Gal Costa.

“Transa” é sem dúvida um dos discos mais importantes da música brasileira, pela mistura revolucionária e iluminada de ritmos e elementos, e por seu contexto cultural e político. É o manifesto da capacidade de caetanear, ou seja, de driblar o óbvio e dar luz ao divino e maravilhoso. A seguir, segue um trecho do documentário “Canções do Exílio: a Labareda que Lambeu Tudo”, que traz depoimentos dos principais personagens desta resenha.

Espero que gostem!

 

 

Download: Caetano Veloso – Transa (1972)

 


%d blogueiros gostam disto: